Pix
Pix

Pix vai estimular uso de pagamentos mobile

Em 16 de novembro, o Pix, plataforma de pagamentos instantâneos desenvolvida pelo Banco Central, estará disponível para a população. Com esse novo meio de pagamento, os consumidores poderão fazer pagamentos de uma forma muito mais simples e ágil: basta escanear um QR Code ou utilizar uma chave Pix. Até o momento, o Banco Central já registrou o cadastro de 33,7 milhões de chaves no Pix desde o dia 5 de outubro, quando o cadastro foi disponibilizado.

 

Leia também: Pix no e-commerce: como vai funcionar na prática

 

Com o Pix, a expectativa é que o uso de smartphones para pagamentos aumente. Segundo a nova pesquisa Panorama Mobile Time | Opinion Box sobre o m-commerce e m-payment no Brasil, publicada em setembro de 2020, 26% dos brasileiros declararam já ter ouvido falar no Pix. Desses, 89% pretendem utilizar esse meio de pagamento.

Mas o uso de smartphones para pagamentos já vem aumentando: as carteiras digitais, por exemplo, já eram uma tendência no início do ano e viram um boom com a pandemia do Covid-19. Agora, o consumidor já está mais adaptado com novas formas de pagamento: a pesquisa apontou que 48% dos brasileiros já experimentaram pagamentos com QR Code.

Os pagamentos por aproximação também registraram alta durante a pandemia do Covid-19. Em seis meses, subiu de 23% para 33% a proporção de internautas brasileiros com smartphone que já realizaram essa forma de pagamento.

 

M-commerce cresce durante a pandemia do Covid-19

A pandemia também impulsionou o m-commerce no Brasil, levando muitos brasileiros a comprarem pela primeira vez através de um aplicativo ou site usando seus smartphones. Em seis meses, a proporção de consumidores móveis – ou seja, usuários de internet que já fizeram compras no m-commerce – evoluiu de 85% para 91%. Ainda, 76% dos consumidores móveis afirmam que, atualmente, fazem mais compras via aplicativos ou sites mobile do que faziam há seis meses.

Não apenas o m-commerce, como o e-commerce como um todo viu um crescimento expressivo durante o período de isolamento social. Segundo um estudo da Kearney sobre os impactos do Covid-19 no comportamento do consumidor brasileiro, o faturamento do e-commerce no Brasil deve atingir R$ 111 bilhões em 2020. Além de estimular a compra online, a pandemia também forçou que alguns setores se reinventassem e trouxessem o seu negócio para o ambiente digital.

 

Leia também: E-commerce brasileiro e Covid-19: estatísticas e previsões

 

Venda por redes sociais aumenta durante a pandemia

A pesquisa ainda mostrou aumento nas vendas via redes sociais. O estudo revelou que 70% dos consumidores móveis já compraram pelo WhatsApp; 40% revelou ter feito compras via Facebook Messenger e 39% pelo Instagram.

Nesse cenário, a adoção do link de pagamento por parte dos lojistas aumenta: com essa solução, é possível enviar um link para o consumidor por meio de um canal de comunicação – como WhatsApp ou mensagens privadas nas redes sociais – que o direciona até uma página de pagamento.

Assim, o lojista pode ampliar seus canais de venda e continuar vendendo apesar do distanciamento social. Segundo estimativa da Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs), as compras realizadas à distância no Brasil respondem por 29% do volume movimentado pelos cartões de crédito.

 

Leia também: Pix, carteiras digitais e link de pagamento: tendências no e-commerce brasileiro

 

Com um meio de pagamento instantâneo, seguro e democrático como o Pix, os consumidores móveis terão mais uma opção para realizar o pagamento das suas compras online. Ainda, a plataforma estimula a inovação e competição entre os players do mercado financeiro, ou seja: ainda haverá muita novidade pela frente!

 

Quer saber mais sobre o novo método de pagamento do Banco Central? Confira 10 perguntas e respostas sobre o Pix neste artigo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *