Digital Wallets | Carteiras Digitais
Digital Wallets | Carteiras Digitais

Uso de carteiras digitais cresce no Brasil

No início do mês, mencionamos neste artigo que as carteiras digitais devem ser uma das principais tendências em pagamentos no Brasil para 2020. Agora, um estudo da consultoria Bian mostrou recentemente que as carteiras digitais devem alcançar 28% do total dos pagamentos nos pontos de venda até 2022.

Hoje, 61% dos brasileiros com smartphones dos grupos sociais A, B e C já utilizam essa tecnologia, como mostrou a Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC). Ainda, o Brasil é o único país na América Latina onde as carteiras digitais Samsung Pay, Google Pay e Apple Pay estão todas presentes. Para 47% dos consumidores brasileiros, a praticidade é o principal fator que os estimula a realizar pagamentos mobile. Já 53% considera que os principais benefícios são a possibilidade de fazer transações imediatas e a confirmação instantânea.

 

O que são carteiras digitais?

Carteiras digitais, ou eWallets, são aplicativos que permitem que os usuários façam pagamentos mobile em estabelecimentos físicos e online. Os usuários podem tanto adicionar um saldo na conta quanto cadastrar seus cartões de crédito e débito.

Ao efetuar compras em estabelecimentos físicos, os usuários devem simplesmente aproximar seus dispositivos – como smartphones ou wearables – à maquininha de cartão para concretizar o pagamento, graças à tecnologia NFC (Near Field Communication). Também é possível realizar o pagamento com a leitura de um QR Code. Assim, não é preciso carregar uma carteira no bolso o tempo todo, já que os métodos de pagamento estão disponíveis em meios digitais.

No Brasil, as carteiras digitais estão trazendo mais inclusão financeira, já que permitem que usuários carreguem o saldo da conta com o pagamento de um boleto. Em outras palavras, o usuário não precisa necessariamente de uma conta bancária para se beneficiar do uso das eWallets. Com 45 milhões de adultos desbancarizados e mais de 90 milhões de usuários de smartphone, as carteiras digitais vão permitir que mais consumidores participem do fenômeno dos pagamentos digitais.

 

As carteiras digitais no e-commerce brasileiro

De acordo com a consultoria Bian, a participação das carteiras digitais no e-commerce passará de 36% em 2018 para 47% em 2022. Mesmo com a preferência dos consumidores digitais pelo o cartão de crédito e o boleto bancário, as eWallets oferecem uma experiência mobile positiva e sem fricção.

Além disso, os benefícios oferecidos por esses aplicativos, como cashbacks e descontos especiais para produtos de lojas parceiras, também vão incentivar a adoção dos usuários no mercado e-commerce. Um estudo conduzido pela Méliuz, um dos principais sites de cupons e cashback no Brasil, mostrou que esse recurso representa 54.7% do interesse do consumidor para fazer compras durante a Black Friday. Os preços mais baixos foram a principal razão, com 80% do interesse do consumidor.

 

As carteiras digitais, pagamentos instantâneos e open banking

Outros elementos que estimularão o crescimento das carteiras digitais são as regulações que estão em andamento no Banco Central. Os pagamentos instantâneos e o open banking terão papéis fundamentais nesse cenário.

Os pagamentos instantâneos vão permitir transações imediatas, sem restrição de dia e horário, permitindo que recursos sejam transferidos de uma conta para a outra, 24 horas por dia, 7 dias por semana. Além disso, também será possível realizar transações usando somente o número de telefone ou endereço de e-mail do beneficiário, sem a necessidade de solicitar o nome e número de CPF.

Já o open banking permitirá que os consumidores façam transações de diferentes plataformas, e não apenas por meio do site ou aplicativo do banco. A informação será compartilhada via API, o que quer dizer que ele não terá que digitar as informações da conta e a senha para integrar um aplicativo com o outro.

A combinação dessas duas iniciativas vai promover melhorias no mercado de pagamentos no Brasil. Os usuários poderão fazer transações instantâneas entre diferentes aplicativos, e não apenas entre os usuários do mesmo app.

 

O que vai incentivar o uso das carteiras digitais no Brasil

Mesmo com o elevado uso do dinheiro, as carteiras digitais devem crescer no Brasil em função da familiaridade da população brasileira com os smartphones. De acordo com uma pesquisa desenvolvida pela Mobile Time e Opinion Box, 85% dos usuários de internet com smartphones usaram seus dispositivos para comprar um produto físico por meio de um aplicativo, e 17% disse que já realizaram um pagamento por aproximação. Ainda, opções de pagamento simplificado, como a compra com 1 clique e autenticação biométrica são uma das funcionalidades mais importantes no m-commerce para 37% dos usuários.

Os aplicativos de serviços são um dos principais recursos que incentivam esse crescimento. Além de comprarem produtos físicos com os seus smartphones, os brasileiros também são heavy users de aplicativos de mobilidade urbana, delivery e serviços digitais – todos motores importantes para a adoção das eWallets.

Mobilidade urbana

A mobilidade urbana tem um papel importante no uso das carteiras digitais – e em mais de uma forma. A adoção de pagamentos com NFC e QR Codes no transporte público – como mencionado neste artigo – ajuda os brasileiros a se familiarizarem com essa tecnologia. Dados mostram que, em um ano, a proporção de brasileiros que solicitaram uma corrida em aplicativos passou de 66% para 75%.

Como resultado, os aplicativos de mobilidade começam a encontrar maneiras de incluir mais usuários e melhorar a experiência de pagamentos. A Uber, por exemplo, lanchou recentemente o Uber Cash: uma carteira digital que oferece métodos de pagamentos pré-pagos para todos os serviços de corrida e delivery. A Cabify também está buscando soluções semelhantes e anunciou em 2019 seus planos de entrar no mercado de fintechs no Brasil e permitir que seus motoristas recebam pagamentos e paguem duas contas pelo app.

Aplicativos de entrega

Os aplicativos de entrega de comida também estão entrando no mercado de fintechs no Brasil: de acordo com a Mobile Time e Opinion Box, 62% dos usuários já fizeram pedidos com seus smartphones. O iFood, que recentemente lançou o recurso de QR Codes em pontos de venda, é um dos players que ajudou a fomentar esse cenário.

Bancos

Muitos acreditam que as fintechs vão substituir os bancos, mas a verdade é que as grandes instituições financeiras também estão participando dessa revolução digital. Além de disponibilizarem recursos nos seus aplicativos, os bancos também estão lançando novas soluções. O Itaú, um dos maiores bancos no Brasil, lançou recentemente o iti, uma carteira digital disponível para todos – e não apenas para correntistas do Itaú. Ainda, os aplicativos de serviços financeiros estão presentes em pelo menos 5% das home screens de smartphones, de acordo com a Mobile Time e Opinion Box.

Os serviços digitais serão os principais motivadores para maior adesão de usuários às carteiras digitais, já que estão muito presentes no cotidiano do brasileiro. Ainda, as soluções de pagamento pré-pago também estimulam o uso das carteiras digitais, já que pessoas com acesso limitado aos serviços bancários podem ser incluídas no sistema financeiro e pagar com facilidade suas compras digitais e físicas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *