Pix in ecommerce | Pix no e-commerce
Pix in ecommerce | Pix no e-commerce

Pix no e-commerce: como vai funcionar na prática

Estamos há poucas semanas do lançamento do Pix, plataforma de pagamentos instantâneos do Banco Central que estará disponível para a população no dia 16 de novembro.

No dia 5 de outubro, as instituições financeiras já iniciaram o cadastro das chaves Pix, que possibilitará que o usuário envie e receba pagamentos utilizando somente um dado, como o telefone celular, o e-mail, o CPF ou uma chave aleatória. Além da chave Pix, o usuário ainda poderá fazer um pagamento escaneando um QR Code com o aplicativo do banco ou carteira digital instalado no seu smartphone.

Vale lembrar que o Pix será gratuito para pessoa física e permitirá a liquidação do pagamento em uma média de 2,5 segundos. Além disso, o meio de pagamento também estará disponível 24 horas por dia, 7 dias por semana, incluindo sábados, domingos e feriados.

Mas como o Pix vai funcionar na prática no e-commerce? Como será a experiência de pagamento para quem compra online? E mais importante: como o lojista pode oferecer esse meio de pagamento no site? Detalhamos neste post. Confira!

Leia também: Pix: 10 perguntas e respostas sobre os pagamentos instantâneos no Brasil

 

A experiência de pagamento com o Pix no e-commerce

Afinal, como o Pix vai funcionar no checkout da loja virtual?

Há duas situações possíveis. Quando a compra é feita em um ambiente mobile, ao selecionar o Pix no checkout, um código será exibido. O usuário deve copiar o código, abrir o seu aplicativo do banco ou carteira digital para pagar com o Pix, selecionar “Pix Copia e Cola” e colar o código para confirmar a transação.

Já no desktop, o usuário poderá fazer o pagamento de forma semelhante às lojas físicas. Ao selecionar o Pix no checkout, um QR Code será exibido na tela do computador. Basta abrir o aplicativo do banco ou da carteira digital no smartphone e escanear o código. Os detalhes da transação serão exibidos no celular e ele poderá finalizar a operação no dispositivo móvel.

 

Como o lojista poderá oferecer o Pix no e-commerce

O lojista que quiser oferecer esse meio de pagamento no seu e-commerce não precisa se conectar diretamente ao Pix como participante direto ou indireto – essa é a função das instituições financeiras, como os bancos e fintechs.

Para oferecer o Pix, o lojista deverá ter uma conta de pagamentos em uma instituição financeira conectada ao Pix, como uma processadora de pagamentos. Basta utilizar uma das soluções oferecidas por esse prestador de serviços, como o gateway ou intermediação.

Ainda, caso o lojista utilize uma plataforma de e-commerce – como Shopify, Woocommerce, Magento, VTEX, entre outras – é possível integrar com uma processadora de pagamentos que possui um módulo, extensão ou plug-in dedicada para a plataforma em questão.

É importante ressaltar que o custo para receber um Pix no e-commerce ainda não foi definido, e que quem vai determinar esse valor não é o Banco Central, e sim, o próprio mercado. No entanto, como o Pix estimula a concorrência entre os players do mercado financeiro, a expectativa é que os preços também sejam mais competitivos – especialmente quando comparado a outras formas de pagamento à vista, como o boleto bancário.

 

O Pix é seguro?

Para quem questiona se o Pix é seguro, a resposta é: sim! Como o usuário precisa autenticar a transação antes de confirmar o pagamento, o valor chega ao recebedor sem complicações.

Além disso, o cadastro da chave Pix também passa por uma autenticação de duas etapas – como confirmação via SMS ou e-mail – o que reforça ainda mais a segurança.

 

Assista ao webinar: Pix na prática

No dia 1º de outubro, nosso CEO e cofundador, Ralf Germer, participou de um webinar ao lado de Paulo Andreoli, embaixador da Pagos, e Alex Barreto, Diretor Jurídico da banQi. O webinar abordou como o Pix vai funcionar na prática e o impacto no e-commerce e meios de pagamento. Assista abaixo!

 

 

Quer receber conteúdos como este no seu e-mail e ficar por dentro de todos os nossos webinars? Cadastre-se na nossa newsletter!

 

Este conteúdo foi atualizado em 16 de novembro de 2020.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *