Com o Pix, chegou a hora de aposentar a TED e o DOC?

Sucesso entre os brasileiros, o Pix já movimentou mais de R$ 1 trilhão nos seus seis primeiros meses de operação, segundo dados do Banco Central. Mais de 95% dos usuários se consideram satisfeitos com a experiência entregue pelo Pix, conforme aponta o Panorama Mobile Time | Opinion Box. A gratuidade, velocidade na liquidação do pagamento e praticidade para enviar e receber dinheiro são os principais elementos que contribuem para esses resultados. 

Com tantos benefícios, uma das maiores especulações que circularam no mercado com a entrada do Pix era a possível substituição do boleto bancário pelo pagamento instantâneo. De fato, o Pix possui algumas vantagens em relação ao tradicional código de barras; porém, o boleto ainda possui recursos e funcionalidades insubstituíveis, como o pagamento em dinheiro, opção que atende consumidores sem conta em banco, e a possibilidade de reservar o produto e pagar posteriormente, dentro do prazo estipulado de vencimento. 

Leia também: Desbancarizados somam 34 milhões no Brasil 

No entanto, o Pix se provou como uma alternativa mais eficiente a outros dois métodos de pagamento tradicionais no Brasil: a TED e o DOC. De acordo com o Banco Central, no primeiro trimestre de 2021, o Pix superou todas as operações realizadas com TED, DOC e cheque: foram 869,6 milhões de pagamentos realizados durante o período. 

Com esses números, fica a dúvida: chegou a hora de aposentar a TED e DOC?  

A adoção acelerada do Pix já era esperada. Porém, o pagamento instantâneo ainda possui um longo caminho a percorrer para que possa substituir completamente modalidades mais tradicionais, como o boleto bancário e até mesmo o próprio dinheiro em espécie. Apesar do Pix ser um pagamento seguro, muitos brasileiros ainda possuem ressalvas na hora de realizar uma transação digital, preferindo o boleto ou dinheiro.  

Mas comparamos com transferências via TED e DOC entre pessoas físicas, são poucas as situações que o Pix não é capaz de substituir com eficiência: as operações com TED e DOC possuem limites máximos de transferências mais altos que o Pix, permanecendo como uma alternativa em alguns casos. Porém, com as novas funcionalidades do pagamento instantâneo previstas para os próximos meses – como o Pix Agendado e Pix Garantido – a modalidade tem potencial para se tornar a mais completa plataforma de pagamentos do Brasil, abrangendo não apenas transferências de dinheiro, mas pagamentos no varejo e no e-commerce.  

O mercado de meio de pagamento é extremamente dinâmico. A velocidade em que ocorrem as mudanças são quase tão próximas quanto à própria instantaneidade o Pix: são diversas atualizações, implementações e novidades acontecendo toda semana.  

Na PagBrasil, são essas inovações que acontecem no ecossistema financeiro que nos movem. Com mudanças tão aceleradas, é preciso uma rápida adaptação do mercado – especialmente pelas tradicionais instituições financeiras, que contam com milhões de usuários que, por sua vez, enxergam muito valor em experiências positivas e exigem integração com diferentes tecnologias e dispositivos. Plataformas como o Pix possuem rápida adoção; cabe a nós, parceiros tecnológicos, estarmos um passo à frente e otimizar soluções para tais tecnologias.  

Em um ambiente tão inovador, esforço, rapidez e adaptação constantes dos maiores players do mercado financeiro são essenciais para acompanhar as mudanças e trazer impacto positivo para as pessoas.