Brasileiros evitam comprar online em moedas estrangeiras

O Brasil é um mercado muito interessante para empresas de e-commerce internacionais. Segundo um estudo da Ebit, 53% dos brasileiros fizeram compras online em sites internacionais em 2016. No entanto, quando começam a vender para o Brasil com sistemas de pagamento internacionais, os comerciantes costumam encontrar um obstáculo inesperado nas taxas de conversão. A causa principal da baixa conversão normalmente se deve à falta de métodos de pagamentos locais, já que os provedores de serviços de pagamento internacionais não podem processar métodos de pagamento brasileiros. Isto inclui os cartões de crédito, pois a maioria dos cartões emitidos no Brasil não estão habilitados para uso internacional. Ainda assim, inclusive aqueles consumidores que têm um cartão internacional hesitam antes de realizar uma compra com seu cartão em moeda estrangeira. O uso do cartão internacional encarece a aquisição do produto ou serviço e o custo total da compra não fica claro para o consumidor até o momento do pagamento.
 
 

Por que o cartão internacional torna a compra mais cara?

Ao realizar compras em sites internacionais que não ofereçam métodos de pagamento locais, os consumidores brasileiros precisam considerar uma série se cobranças que se aplicarão sobre a compra, tais como:
 

  • IOF
  •  
    O IOF, Imposto sobre Operações Financeiras, é um imposto que afeta as transações de crédito, câmbio e seguros. Este imposto gera uma cobrança bastante elevada sobre as transações feitas com cartões em moeda estrangeira. Enquanto uma compra com cartão de crédito nacional não está sujeita a IOF, quando a mesma compra é feita em moeda estrangeira o consumidor está obrigado a pagar 6,38% do valor em conceito de IOF. Este valor é cobrado diretamente do cartão do cliente como um conceito separado, sem afetar o comerciante.
     

  • Anuidade do cartão
  •  
    Além de pagar mais caro pelas compras realizadas com cartões internacionais brasileiros, também é mais caro mantê-los. A anuidade dos cartões habilitados para uso internacional pode chegar a ser três vezes mais alta que a de um cartão nacional. Por exemplo, o cartão MasterCard Nacional do banco Itaú tem um custo anual de R$ 66,00, enquanto o seu cartão ItauCard MasterCard Internacional tem um custo de R$156,00 anuais. Este fator não afeta o custo individual das compras, porém muitos preferem renunciar aos cartões internacionais para não pagar o seu custo tão elevado.
     

  • Incerteza sobre a taxa de câmbio
  •  
    O comprador não tem como saber quanto exatamente pagará pelo que está comprando no momento da compra. Independentemente do dia que tenha sido realizada a compra, a taxa de câmbio utilizada para a conversão será a do dia de fechamento da fatura. Não obstante, a incerteza pode se prolongar até o segundo mês depois da compra, quando se ajusta a diferença entre o câmbio do dia do fechamento da fatura e o câmbio do dia do pagamento da fatura, aplicando assim um valor a receber ou pagar no seguinte mês.
     

  • Taxa de câmbio
  •  
    A taxa de câmbio pode variar para cada cartão, pois cada banco define a sua taxa diariamente. Invés de usar a taxa de câmbio oficial publicada pelo Banco Central do Brasil, cada instituição financeira pode utilizar as suas próprias taxas de câmbio. Como regra geral, costumam adicionar uma margem ou spread à taxa de câmbio oficial que pode variar de 0,3% a 7,3%, segundo um estudo publicado por Melhores Destinos.

 
 

Custo real das compras em moeda estrangeira

 
Somando todos os fatores que afetam o comprador brasileiro que realiza um pagamento em moeda estrangeira com um cartão internacional, a compra pode ficar até 14% mais cara que uma compra com métodos de pagamento locais. Este cálculo não considera a flutuação da taxa de câmbio, cuja variação não pode ser prevista. Além dos custos adicionais, nas compras internacionais processadas por um provedor internacional não é possível optar pelo pagamento parcelado, um recurso que é utilizado em quase 60% das compras online no Brasil, segundo o último relatório da Ebit. A soma destes fatores dificulta a conversão de compradores brasileiros em lojas online internacionais que não oferecem métodos de pagamento brasileiros.
 
Por este motivo, os comerciantes internacionais que vendem para o mercado brasileiro precisam de um provedor de pagamentos local, como a PagBrasil, para aumentar as suas vendas. Na nossa experiência, os negócios de e-commerce internacionais aumentam suas vendas imediatamente depois da migração a um sistema de pagamentos brasileiro que ofereça uma ampla gama de métodos de pagamento nacionais, já que desta forma oferecem alternativas que favorecem as conversões.

Julia Hartmann

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *