3DS 2.0
3DS 2.0

Como o 3DS 2.0 vai melhorar a experiência de pagamento

Fazer compras online está se tornando um hábito cada vez mais comum entre a maioria dos brasileiros. Com 150 milhões de usuários de internet, o país é o maior mercado de e-commerce na América Latina e estima alcançar um faturamento de R$ 106 bilhões em 2020, de acordo com a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm).

À medida que o e-commerce cresce não apenas no Brasil, mas também no mundo todo, desenvolver melhorias relacionadas à segurança dos pagamentos é uma preocupação constante no mercado. O protocolo 3D Secure 2.0 – ou 3DS 2.0 – veio para garantir transações mais seguras, além de uma experiência mais fluida e sem fricção.

 

O que é 3DS 2.0?

O 3D Secure 2.0 é um novo protocolo de autenticação desenvolvido para reduzir as ocorrências de fraude sem impactar as taxas de conversão do e-commerce. Essa evolução do 3DS 1.0 garante uma experiência de pagamento mais segura e fluida em transações autenticadas de cartão.

Apesar de não ser obrigatório, o 3DS 1.0 é um recurso útil – e necessário – para lojistas que queiram evitar o risco de um chargeback fraudulento. Para transações processadas com 3DS, a responsabilidade por um chargeback é transferida do comerciante para o banco emissor – o chamado liability shift.

No entanto, o antigo protocolo frequentemente gera mais fricção no processo de pagamento, já que o consumidor é redirecionado para a página do banco emissor do cartão para confirmar a transação, o que prejudica significativamente as conversões de negócios e-commerce. Agora, com o 3DS 2.0, é possível autenticar a transação silenciosamente, sem a interação do consumidor. Uma autenticação silenciosa ocorre no plano de fundo, sem exigir do comprador nenhum outro passo de verificação. Em outras palavras, o usuário tem uma experiência sem fricção, assim como em uma transação não-autenticada.

Nas transações 3D Secure 2.0, dezenas de variáveis são validadas no plano de fundo para conferir se o pagamento é legítimo e determinar se a autenticação deve ou não ser silenciosa. Se o banco emissor do cartão decide que a informação providenciada é suficiente para uma autenticação silenciosa, a transação pode ser autorizada sem nenhum outro passo. Mas se o banco não está confortável, ele pode pedir que o próprio consumidor autentique a transação com um desafio (por exemplo, via SMS ou token com senha de uso único). O consumidor deve, então, inserir o código de verificação no campo exibido na página da loja, e não na página do banco.

 

Quais são os benefícios do 3DS 2.0?

Com o 3DS 2.0, os consumidores podem usufruir de uma experiência de pagamento mais fluida tanto no desktop quanto nos dispositivos móveis. Entenda os benefícios que o protocolo traz para lojistas e consumidores!

Redução na fricção de pagamento

O 3DS 2.0 reduz a fricção, podendo até mesmo eliminá-la quando não exige a intervenção do consumidor para confirmar transações. Isso reduz as taxas de abandono de carrinho significativamente devido a problemas relacionados à complexidade no checkout.

Aumenta as transações de débito

Com a redução da fricção no pagamento, o 3DS 2.0 também aumenta a adoção de transações de débito no e-commerce brasileiro. Isso é especialmente relevante para lojistas que vendem no Brasil, onde o cartão de débito representa 35% de todos os pagamentos com cartão em valor e que, até então, sempre exigiram uma autenticação 3DS 1.0.

Aumento nas taxas de conversão

Com menos barreiras no fluxo de pagamento, os lojistas podem se beneficiar de um aumento nas suas taxas de conversão. Algumas categorias de produtos – como eletrônicos e eletrodomésticos – representam um alto risco de fraude, o que quer dizer que compras com o cartão de crédito sem autenticação são, em muito casos, quase impossíveis. Com o 3DS 2.0, os lojistas podem vender seu produtos online para clientes que até o momento não poderiam concluir a compra, e assim aumentar suas vendas sem o risco de sofrer altas perdas em decorrência de fraudes.

Além dos consumidores se sentirem mais confiantes a prosseguirem com a compra quando não são redirecionados, uma experiência de compra positiva para usuários de cartões de débito também permite que os lojistas alcancem um maior número de consumidores que não têm um cartão de crédito – o que, no Brasil, representa um número significativo, já que existem cerca de 100 milhões de cartões de débito ativos no país.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esta página utiliza cookies para melhorar a experiência do usuário em nosso site. Ao clicar em "Aceitar", você concorda com a coleta e uso das informações para garantir a melhor experiência de navegação. Para saber mais, leia a nossa Política de Privacidade.

Aceitar