Pix Open Banking
Pix Open Banking

Terceira fase do Open Banking no Brasil terá integração com Pix

Na última sexta-feira (29), iniciou-se a terceira fase do Open Banking no Brasil. A grande novidade desta nova etapa é a integração do ecossistema de compartilhamento de dados com o Pix e representa um novo marco para o pagamento instantâneo: o Pix 2.0.

Mas afinal, o que muda na prática para o consumidor? É o que vamos explicar neste artigo. Entenda!

 

Pix 2.0: o que muda com a integração do Open Banking com Pix

Com a implementação da terceira fase do Open Banking, consumidores poderão fazer transações com Pix no âmbito de compartilhamento do Open Banking.

Leia também: Open Banking no Brasil: o que deve mudar?

Em outras palavras: será possível fazer um Pix por meio de canais que não sejam, necessariamente, o aplicativo da instituição financeira. Isso quer dizer que o consumidor poderá iniciar um pagamento ou realizar uma transferência com Pix por meio de diversos aplicativos e plataformas, o que inclui aplicativos de varejistas e até mesmo redes sociais.

 

Ainda mais facilidade para o consumidor

Uma das grandes vantagens que a nova etapa proporcionará ao consumidor é a possibilidade de autorizar o armazenamento de suas informações em sites para que o pagamento com Pix seja realizado nas próximas compras, sem a necessidade de escanear o QR code da tela ou de cadastrar novamente os dados para finalizar a transação.

Além disso, o consumidor também poderá vincular o Pix aos serviços de iniciação de transações de pagamento – que permite que empresas, financeiras ou não, iniciem uma transação financeira de forma independente.

Isso possibilitará uma transação ainda mais fluída com o Pix, já que isenta o usuário que optou por aderir ao serviço de abrir o aplicativo do banco ou carteira digital para realizar o pagamento. A funcionalidade estará disponível para e-commerce, plataformas de delivery, aplicativos de transporte e muitos outros.

 

Quais empresas poderão participar? 

Para oferecer essa possibilidade ao consumidor, as empresas deverão se cadastrar no Banco Central como uma Instituição de Transação de Pagamentos e cumprir com os protocolos de segurança e fiscalização do BC.

 

Fazer um Pix via WhatsApp? Agora, sim!

O WhatsApp já permite que usuários façam pagamentos entre si, utilizando o cartão de débito. Com a implementação da terceira fase do Open Banking, o aplicativo de mensagens também poderá atuar como iniciador de pagamento vinculado ao Pix.

Leia também: Pix ou WhatsApp Pay: qual meio de pagamento será preferido pelos brasileiros?

A implementação do Pix 2.0 está previso para fevereiro de 2022. Já a quarta fase do Open Banking tem início prevista para o dia 15 de dezembro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esta página utiliza cookies para melhorar a experiência do usuário em nosso site. Ao clicar em "Aceitar", você concorda com a coleta e uso das informações para garantir a melhor experiência de navegação. Para saber mais, leia a nossa Política de Privacidade.

Aceitar